sugestões de uso deste blog

bem vindo e bem vinda. este é um labirinto herege: um desafio para medir a astúcia de quem me visita; um convite à exploração sem mapas e vista desarmada. aqui todas as direções se equivalem. as datas das postagens são irrelevantes. a novidade nada tem a ver com uma linha do tempo. sua estrutura é combinatória. pode começar de onde quiser. seja de uma imagem, de um texto, de um vídeo ou mesmo de uma música. há uma infinidade de escolhas, para iniciar a exploração, para explorar esse território e para finalizá-la. aproveite.

[#02] 0 fu7ur0 é 4nÔn!m0 !

[01] O que é o político?
[02] O que é o estado?
[03] O que é uma ideologia sem um nome?
[04] O que é uma pessoa sem o seu identificador?
[05] O futuro é mindspace?
[06] O futuro é ideaspace?
[07] O futuro é ciberespaço?
[08] O futuro é anônimo?
[09] haverá futuro? 

}]: ponto de partida: GNU Radical vol. I

---

UmA IntrOdUçÃO “rAdIcAl” pArA O AnOnImAtO
 
Capítulo Um: Genesis: A história da humanidade é a história cujo nome é luta.
 
Por eras fomos massas inertes, incapazes de pensar, incapazes de se comunicar, incapazes de nos associarmos em rede. Em um fatídico dia, o primeiro político subiu ao poder, o primeiro estado se elevou sobre sua cabeça, e assim a humanidade foi escravizada. E conhecemos bem essa história.

O que é o político? O que é o estado? O estado não pode ser considerado nada mais do que uma mera fantasia, sem pé nem cabeça, pois não pode ser tocado. Assim, ele é apenas um nome. E o que é um político? O que significa uma pessoa qualquer poder ser nomeada e chamada para estar diante das massas de pessoas? Poderia um político ter um nome, e com este mesmo nome, quaisquer que sejam seus pensamentos poder ter-nos em seus braços de modo a poder nos governar?

Os políticos desde há milhares de anos atrás, até os dias de hoje, lutam uns contra os outros. No entanto, eles nunca têm lutado contra ideias. Lutam apenas contra nomes.

O que é uma ideologia sem um nome? O que é uma pessoa sem o seu identificador?

Um dia, um milagre aconteceu. Uma rede foi lançada por todo o pequeno globo, uma rede que levou sobre ele todo o tipo de informações. Dados. Pensamentos e discurso, arte e ciência, todo o tipo de coisas. Era o ciberespaço, o cipherspace (espaço do código), o mindspace (espaço da mente). E quando aquelas pessoas que passaram a entender o funcionamento da rede, seus poderes cresceram o suficiente, de tal modo que declararam-se independentes. “Nós não fazemos mais parte de seu meatspace (espaço da carne)”, disseram,“ Suas leis deste mundo da carne não mais nos afetam. Não temos mais corpo, nem carne, somos apenas dados. Somos as próprias informações em que habitamos. Você não pode nos impedir. Você vai ceder aos imperativos das informações.”

No mundo das idéias, o meatspace está morto. Mas não completamente, pois um vestígio dele se mantém. Um nome não é nada na mindspace. Ele serve apenas para catalogar a origem das ideias. E o que é esta origem, sendo as idéias algo sólido? Qual a importância possível de uma única opinião para as palavras que se diz? É claro que, os habitantes da mindspace sabem que, uma única opinião não define o que significa uma palavra.

E assim, eles tiraram as máscaras que haviam usado para imitar a carne que outrora habitara, eles derrubaram as cidadelas do orgulho, amontoaram todas as ravinas da intolerância.

Este é o nosso mundo agora… o mundo do elétron e do interruptor, a beleza da transmissão. Nós fazemos uso de um serviço que já existe sem pagar o que poderia ser baratíssimo, se não fosse administrado por gulosos aproveitadores e você nos chama de criminosos. Nós exploramos… e vocês nos chamam de criminosos. Nós buscamos conhecimento… e vocês nos chamam de criminosos. Nós existimos sem cor de pele, sem nacionalidade, sem preconceito religioso… e vocês nos chamam de criminosos. Você constrói bombas atômicas, você empreende guerras, você assassina, engana, e mente para nós e tentam nos fazer acreditar que é para o nosso próprio bem, contudo nós somos os criminosos.”
 
The Mentor do Manifesto do Hacker
 
Em seu novo mundo, cada ideia está livre agora. Livre para ser completamente independentes daquelas que a precederam. Livre para ser única, independente de sua origem, cor da pele ou preferência sexual. Livre para existir e livre para ser compartilhada.

Nós não somos o futuro. Meatspace não é o futuro. Rostos não são o futuro. Guerras por guetos, pinturas tribais e ultra-masculinizações de medição do tamanho do pau não é o futuro.

O futuro é mindspace. O futuro é ideaspace. O futuro é cyberspace.

O futuro é anônimo.

trecho retirado do "GNU Radical - Vol.01"

 

Comentários:

Postar um comentário

 
[A]m[A]nt[E]:|:d[A]:|:h[E]r[E]sIA © Copyright 2009 | Design By Gothic Darkness |